Esqueceu a sua senha? Clique Aqui

Principal Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco
Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco Login

A Professora Submissa – Capítulo 48

Por: KetMarina - Categoria: Sadomasoquismo

Este conto já foi publicado em outro site, não por mim, mas por outra pessoa, autora Jessica 69, ela os apagou deixando o pessoal sem o conto e sem o final.
Como este conto não teve final, eu providenciei a continuação, tentando ser a mais fiel possível a historia, espero que gostem. Outra pessoa publicou este conto em outra pagina de contos, como se fosse o autor, mas deixo claro que a autora foi a Jessica 69, e eu Marina G fui a coautora, eu dei continuidade e fim ao conto.
Conto de Jessica 69 e Marina G

Caro leitor, a partir do capitulo 28, este conto passa a ser de minha autoria, Marina G.

Boa leitura


A Professora Submissa – Capítulo 48

Mariane e sua filha Ana desde que voltaram as suas vivas normais, mal trocaram meia dúzia de palavras, só se falando quando não há outro jeito. Eles se sentiam muito envergonhadas com tudo que passaram, mesmo sabendo que não tinham culpa de nada, menos Mariane.

Mariane só se sentia melhor quando estava no colégio dando aula, agora só em alguns períodos, pois precisava voltar para casa, pois não sabia o que fazer agora que não havia quem lhe desse ordens.

Elas tentavam levar a vida, mesmo com o constrangimento que sentiam todas as vezes que tinham que se encontrar dentro de casa. Mas, Mariane precisava terminar com este mal estar entre as duas. Mariane sabia que elas precisavam conversar para que isso acabasse e tomando uma decisão coisa que já não fazia há muito tempo, ela foi ao quarto de Ana.

Assim que entrou no quarto, encontro com Ana que estava nua e saindo do banheiro, ela acabara de tomar um banho e quando viu sua mãe no meio do quarto, ela ficou estática. Mariane já havia visto sua filha nua, quando estavam na casa da praia, mas não havia se dado conta da quantidade de tatuagens e cicatrizes que havia no corpo de sua filha. As muitas palavras vulgares, os desenhos pornográficos, as cicatrizes por todo seu corpo, Ana estava marcada para sempre.

Sem que percebesse seus olhos se encheram de lágrimas, logo estavam rolando pela sua face. Ana vendo sua mãe chorando e olhando para seu corpo, também começou a chorar. Mariane começou a tirar sua roupa para que Ana visse que também ela estava marcada para sempre e também com algumas cicatrizes nas costas.

— Me desculpe filha, tudo isso foi culpa minha, se eu não tivesse tirado as fotos para pagar a Universidade, nada disso teria acontecido, foi tudo culpa minha. Você foi envolvida por minha causa.
— Não mãe, a culpa não é da senhora nem minha, a culpa é desta maldita família que nos usou por serem gananciosos.

Mariane é Ana se abraçaram forte, muito apertado, elas se beijavam e não se deram conta, quando os beijos passaram a ser mais íntimos, logo estava se beijando na boca.

Mariane beijava sua filha com paixão e muito desejo, Ana retribuía.

Luxuria começou a tomar conta delas, Mariane beijava o pescoço a orelha de Ana, que gemia e apertava os seios de sua mãe. Ana torcia os anéis presos aos bicos dos seios de Mariane, isso excitava mais ainda, ela se entregará totalmente ao sexo com sua filha. Elas deitaram no tapete do quarto de Ana, a professora passou a chupar os seios de sua filha, mordia os bicos dos seios e Ana que torcia com mais força os anéis nos peitos de Mariane que gemia de dor.

Mariane passou a esfregar o grelo de Ana, elas voltaram a se beijar e depois de um beijo ardente, luxuriosos, promíscuo se viraram e iniciaram um longo sessenta e nove. Ana chupava o grelo de sua mãe como se fosse a uva mais gostosa do mundo, Mariane retribuía chupando e lambendo os lábios rosados de sua filha.

Elas enfiavam os dedos na buceta uma da outra, Ana enfiava toda a mão na vagina de sua mãe que chupava e dava gritos de dor e prazer, depois de quase vinte minutos de orgia e de um incesto amoroso e desejado, elas explodiram em um orgasmo avassalador.

Após, este delicioso orgasmo, elas se viraram e ficaram abraçadas por um longo tempo, se beijando e curtindo aquele delicioso momento.

— Sabe mãe, não sei se isso é certo ou errado, mas não me importo mais. Eu quando era mais nova, me imaginei transando com você, mas para a sociedade isso não era uma coisa normal. Mas, depois de passarmos por tudo que passamos e do sexo que fizemos enquanto éramos escravas do Simons, deixei de me importar com o que a sociedade acha correto. Muitos dos senhores e senhoras que falavam que incesto era errado, estavam na casa da praia, participando de tudo de nossa escravidão.
— Sim é verdade Ana, também não vou mais deixar de fazer as coisas que eu gosto, faremos sexo entre nós, faremos o sexo que nos agradar mais. Eu não serei mais hipócrita, com falsa moral. Vamos esquecer o que nos aconteceu, mas vamos aproveitar o que nos foi passado.

Mas, elas tinham um problema a resolver, muito mais Mariane.

— Aninha, só temos um problema, eu principalmente. Seu pai! Como poderei esconder estas tatuagens? Estes piercings em meu corpo? E as cicatrizes em nossos corpos, não existe cirurgia que tire elas. Teríamos que gastar muito dinheiro para tirar todas estas tatuagens e piercings, mas de que adiantaria se não seria o suficiente.

— Sim, eu sei que estamos marcadas para sempre mamãe, isso eu sei. Mas, tenho que lhe contar algo que ouvi da senhora Blummer, enquanto estava sendo treinada. Ela falou que o meu dono, o senhor Marcos que até então eu não sabia, havia armado para que papai fosse para a Europa e que lá, eles teriam o envolvido com uma mulher. E esta mulher está gravida de papai. E que ela contou o que estava acontecendo aqui, inclusive mostrou fotos. Eu não entendi o que ela quis dizer com “o que estava acontecendo aqui” e que fotos seriam estas. Porque eu não sabia que a senhora era escrava dos Simons.

Mariane ficou com seus olhos cheios de lágrimas, mas não podia sentir ódio de seu marido, ela apenas se manteve firme e escutou o resto da historia.

— A senhora Blummer contou que papai, não voltaria mais para casa. Eu não entendia porque, só vim entender quando fomos apresentadas ao grupo no teatro. Ali eu entendi o que a senhora Blummer havia me falado e que fotos deveriam ser. As fotos deveriam ser fotos da senhora transando com alguém.

Mariane abraçou Ana, ela pediu novamente desculpas por tudo. Ela não queria que aquilo acontecesse por culpa das dificuldades que passara em sua juventude.

— Mamãe não se preocupe mais com isso, vamos esquecer e seguirmos nossas vidas.

Mariane e Ana passaram a ser mais unidas e curtir todas as formas de prazer dentro de casa e em alguns inferninhos que passaram a frequentar. Mariane passou a frequentar uma casa noturna e dançar completamente nua e assim ganhar mais algum dinheiro. Mas, principalmente por que passou a gostar de ser usada, ela também frequentava o parque, sempre atrás de algum morador de rua, gostava de ser usada, humilhada e ser punida. Seu morador de rua preferido, sempre foi negro que Lisa permitiu que abusasse dela.

Mariane vivia nesta promiscuidade no prazer do sexo, por dois meses tudo seguia bem. Neste período Mariane recebeu alguns papeis pelo correio com o pedido de divorcio.

Ela não contestou, assinou e mandou de volta. Ela ficou muito triste, mas preferiu não brigar e nem tentar entrar em contato com seu marido. Seu casamento acabou por culpa dos Simons. Eles com certeza estavam sendo castigados, pois para a professora eles estavam presos, junto com muitos outros da cidade.

Noticia da rede que escravizava mulheres e vendia bebês, saiu em vários jornais, mas as identidades das mulheres que foram escravizadas, não foram divulgadas.

Ana preferiu ir para New York, ficar na casa de sua prima e dar um tempo para sua mãe.

Mariane aproveitando que estava só em casa, passou a curtir suas idas ao salão, o mesmo que Lisa a levava, ela depilou todo seu corpo. Ela estava saindo do salão quando se viu frente a frente com Carol, a escrava do senhora Marcos.

Carol estava gravida de uns seis meses, ela estava bem vestida e continuava a se parecer com sua filha. Mariane assim que a viu sentiu sua buceta se molhar e sua umidade escorrer por sua coxa.

— Olá Carol! Como você está?
— Olá Mariane! Estou bem, mas como pode ver trago efeito do período que estive sendo chantageada pelos Simons.
— Posso ver isso, mas estamos livres deles, acho que todos estão presos, eu não procurei saber. Na verdade eu não sei o que aconteceu a eles.
— Bem eu sei de tudo e se você quiser saber posso te contar.
— Sim! Eu gostaria de saber o que aconteceu com aquela maldita família.

Mariane ficou ansiosa para saber de tudo e seguiu com Carol, até um pequeno restaurante do shopping. Assim que sentaram e pediram uma bebida, Carol passou a relatar o que aconteceu.

— Bem Mariane! Depois de nosso encontro no porão da casa do Simons e do filme que fizemos. Eles colocaram a venda, nossos vídeos foram negociados na Europa, principalmente leste europeu. O que ocorreu foi que eu tenho parentes que moram na Europa, um primo viu o vídeo que fizemos.

Mariane ficou branca.

— Não! Vídeo meu, nosso, como vou fazer agora se alguém aqui assistir a um filme nosso, minha vida como professora estará destruída.
— Fique calma, não chegará aqui, este vídeo só caiu na mão de meu primo, porque ele trabalha com filme pornô. A família não sabe, apenas eu e meus pais. Bem! Meu primo me procurou para saber, eu tive que contar tudo para ele. Ele veio para a América e como ele tem contato com o FBI, eu fui levada a eles e contei tudo, por isso tive que ficar escondida, até que eles juntassem provas e prendessem todos.

Mariane passou a respirar, mas tranquila.

— Então, estão todos presos?
— Não! Henry e Marcos morreram enquanto fugiam da policia, o carro que eles ocupavam na fuga, capotou, eles morreram. A esposa de Henry, a Silvana, foi presa na Espanha negociando bebês, ela se enforcou na cadeia.
— Negociando bebês?
— Sim Mariane, os bebês que nós tínhamos e teríamos, eram vendidos para que eles ganhassem mais dinheiro.
— E a senhorita Simons? O que aconteceu com a senhorita Simons?

Mariane não conseguia chama-la de Lisa.
— Lisa fugiu! Os federais acreditam que foi ela que colocou fogo na casa, assim encobrir provas. Muitos vídeos, fotos, tudo foi queimado. Não existe mais nada dos vídeos que eles tinham, pelos menos é o que eu acredito.
— É muito bom saber disso, acho que estamos livres finalmente.

Mariane disse isso, mas ela sentiu-se triste, sentiu que uma parte da sua submissão havia acabado.

— Carol e os outros? O diretor da faculdade os outros envolvidos?
— O diretor foi preso, algumas pessoas foram mortas quando o FBI invadiu a casa da praia. Alguns ainda são procurados, fugiram do país, foram para América do Sul, México ou outros países, não vão tentar volta para a América.

Mariane deu um sorriso amarelo, pois pensava em Bubba, não sabia se lamentava ou ficava feliz.

— Mariane! Posso te fazer uma pergunta?
— Sim! Claro o que quiser.
— Você não participou da roleta russa?
— Sim eu e Ana, fomos colocadas na roleta.
— Eles não te deram uns comprimidos, enquanto esteve em poder deles?
— Sim, eu tomei diariamente, eu e Ana tomamos, era anticoncepcional, eu acho.
— Não Mariane, não era anticoncepcional.

A professora arregalou os olhos.

— Não eram? O que eram então?
— Clomid ou Serophene, pílulas para induzir a liberação de um numero maior de óvulos, ainda nos aplicaram uma injeção de alfacorifolitropina, a aplicação da injeção induz a produção de múltiplos óvulos maduros, se você tomou e Ana também, você estão gravidas e não sabem. Pelas minhas contas vocês devem estar por volta de 2 meses.

A professora ficou branca outra vez, ela se deu conta que de fato não havia menstruado nos últimos dois meses e Ana provavelmente também não, mas acreditava que fosse por causa do stress da escravização.

— Será que estou gravida? E seu eu estiver! O que vou fazer?
— Sim Mariane, você sem duvida está gravida e não será só um bebê, terá dois ou mais.

Mariane não tinha ideia do que fazer, não faria aborto, não podia fazer isso. Parando para pensar, foi então que entendeu o que Lisa queria dizer, quando falava que ela iria lhe dar dinheiro, mas só depois de alguns meses, também havia o fato de dona Silvana, a mãe de Lisa presa na Espanha, negociando bebês.

— Eu tenho que falar com Ana, mas preciso antes fazer um exame. Espero encontra-la outras vezes Carol, sinto saudades de você.
— Eu também Mariane, espero que possamos brincar mais intimamente.
— Eu também Carol, este cartão tem o numero do meu telefone, me ligue e vamos marcar algo, o mais breve possível.
— Sim vamos, Mariane. Eu vou adorar!

Mariane um pouco atordoada se despediu de Carol e foi para casa, não sabia como digerir a noticia que Carol havia falado. Mariane marcou uma consulta com um médico. E depois de uma semana foi à consulta, o médico pediu alguns exames e depois de alguns dias Mariane retornou ao consultório.

— Bom dia! Senhora Mariane, tenho ótimas noticia para a senhora.

Mariane sabia que não eram ótimas noticias.

— Meus parabéns, o exame deu positivo, a senhora está gravida.

Mariane deu um sorriso, pegou o resultado e saiu do consultório, indo direto para casa. Ela ligou para Ana, dando a terrível noticia e sete meses depois, Ana amamentava um bebê e balançava um carrinho com duas meninas de cabelos claros e olhos verdes, Ana teve três meninas.

Sentada ao seu lado, estava sua mãe Mariane que balançava um carrinho com mais quatro crianças, dois meninos e duas menina, os quatro era negros. Mariane olhava para seus filhos e filhas, tanto ela como Ana, não tiveram coragem de dá-los para adoção, mesmo tendo sidos concebidos por um ato contrario as suas vontades.

Mariane estava distraída pensando em tudo pelo que ela e Ana passaram e se excitava, com seus pensamentos.

— Mamãe, mamãe!
— Sim Ana!
— O telefone está tocando.
— Oh! Não havia escutado, eu estava distraída.

Mariane se levantou e foi atender.

— Alo! Quem fala?
— Olá cadela! Como você está senhora C, pronta para me servir outra vez, vagabunda.


Fim

Comentarios
Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu voto junto com o meu comentario:


Ficha do conto
Avatar do perfil KetMarina
Por: KetMarina
Codigo do conto: 18065
Votos: 1
Categoria: Sadomasoquismo
Publicado em: 26/03/2020

×

OPS! Para votar nesse conto voce precisa efetuar o login



Mais contos desse usuario

A Maldição da Clareira da Cadela I

A Maldição da Clareira da Cadela II

A Maldição da Clareira da Cadela III

A Maldição da Clareira da Cadela V

A Maldição da Clareira da Cadela VI

A Maldição da Clareira da Cadela VII

A Maldição da Clareira da Cadela VIII

A Maldição da Clareira da Cadela IV

A Maldição da Clareira da Cadela IX

A Maldição da Clareira da Cadela X

A Maldição da Clareira da Cadela XI

A Maldição da Clareira da Cadela XII

A Maldição da Clareira da Cadela XIII

A Maldição da Clareira da Cadela XIV

A Maldição da Clareira da Cadela XV

A professora submissa - Capítulo 1

A professora submissa - Capítulo 2

A professora submissa - Capítulo 3

A professora submissa - Capítulo 4

A professora submissa - Capítulo 5

A professora submissa - Capítulo 6

A professora submissa - Capítulo 7

A professora submissa - Capítulo 8

A professora submissa - Capítulo 9

A professora submissa - Capítulo 10

A professora submissa - Capítulo 11

A professora submissa - Capítulo 12

A professora submissa - Capítulo 13

A professora submissa - Capítulo 14

A professora submissa - Capítulo 15

A professora submissa - Capítulo 16

A professora submissa - Capítulo 17

A professora submissa - Capítulo 18

A professora submissa - capitulo 19

A professora submissa - Capítulo 20

A professora submissa - Capítulo 21

A professora submissa - Capítulo 22

A professora submissa - Capítulo 23

A professora submissa - Capítulo 24

A Professora Submissa - Capítulo 25

A Professora Submissa - Capítulo 26

A Professora Submissa - Capítulo 27

A Professora Submissa - Capítulo 28

A Professora Submissa - Capítulo 29

A Professora Submissa – Capítulo 30

A Professora Submissa – Capítulo 31

A Professora Submissa – Capítulo 32

A Professora Submissa – Capítulo 33

A Professora Submissa – Capítulo 34

A Professora Submissa – Capítulo 35

A Professora Submissa – Capítulo 36

A Professora Submissa – Capítulo 37

A Professora Submissa – Capítulo 38

A Professora Submissa – Capítulo 39

A Professora Submissa – Capítulo 40

A Professora Submissa – Capítulo 41

A Professora Submissa – Capítulo 42

A Professora Submissa – Capítulo 43

A Professora Submissa – Capítulo 44

A Professora Submissa – Capítulo 45

A Professora Submissa – Capítulo 46

A Professora Submissa – Capítulo 47


Este site contém contos eroticos, fotos e videos destinados exclusivamente ao público adulto.
Ao acessá-lo, você declara que tem no mínimo 18 anos de idade e que no país onde você esta acessando esse conteúdo não é proibido.
© 2005-2021 - club-columb.ru - Todos os direitos reservados


conto erotico estrupadacontos eróticos categoriacorno no cinema contosconto eróticos mae de conchinha com filho pequenoCONTO MASSAGEM NA EVANGELICAconto erótico categoriaincesto contos eróticoscontos eroticos bicontos lesbMinha esposa contocontos eroticom feminizando amigoconto insestocontoseróticos incestocasados contos eróticoscontos eroticos de travestiwww.casa dos contos eroticosVidio.porno.mostar.menina.engatada.com.cachorrocontos eroticos de esposa e cunhadocontos eroticos calcinha/webfonts/fa-solid-900.eot?contos crentescontos gay dormindo com o lourinhocontos meu primo sugava meus mamilos todo diacasadoscontos.com.brconto gay menino gozeiconto esposa dandoContos eroticos fui viver com minha irmã meu cunhado me com SimoneContos eroticos de portuguesas traindoshemalesúltimoscontoseróticoswww casadoscontos combanheiro.da.escola.conto gay alunoos meninos da escola comeram minha mae evangelica contoiniciacao do afeminadinho contocontos eróticos AQUELE CARA DETONOU MINHA NAMORADAcontos comendo a irmacontos eróticos com casal liberal: Eu e minha esposa numa orgia com dezenas de machoscasa dos contos eroticos ultimoscontos de incestos reaiscontos heroticos zoofiliacontos eroticos de travesticontos eroticos ultimosconto incesto racha da irmãcasa dos contoseróticoslesbicas casa dos contos eroticosgozei na boca da minha mae conto eroticoQuando ele me beija e dedilha minha xoxota piscaCasa dos contos eroticosconto erotico gay gozando muitocasa doa contos eróticoscontos eróticos grupalsexo com a fisioterapeuta conto relatorelato de marido que sabia que ia ser cornofui brincar com meu cachorro e perdi o cabaçoeu abusei da minha sobrinha contoscasa dos ccontos lesbicosconto erotico negracasa dos contoseróticoscasa dos contos temascasa doscontoseroticostia dando pro sobrinho conto erotico angolanoCasada e amiga fodem com desconhecido contosmeu marido fodeu minha amiga contorelatos eróticos de traição comprou minha esposacontos eróticos adoro da o cuzinho pro meu sobrinhocontos fiquei nua com meu priminhoNao filho me solta contos eroticoscontos eróticos minha mae me ensinou a ser putacs dos contoscontos eroticos com minha avome aproveitei da menina inocente conto eróticodeixo minhas calcinhas no banheiroo e filmei meu filho batendo punhetacontos lesbcontos eroticos teta peito seio chuparCaralho a deitar muito esporrocasadoscontoscontos eróticos deixei papai me engravidar contos erotico zoofiliacasa dos contos.eroticoscontos eroticos Meu cao violadorcasa dos contos eroticos lesbicoscontos incesto mãe e filhocontos fiquei nua com meu priminho