Esqueceu a sua senha? Clique Aqui

Principal Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco
Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco Login

A professora submissa - Capítulo 7

Por: KetMarina - Categoria: Sadomasoquismo

Este conto já foi publicado em outro site, não por mim, mas por outra pessoa, autora Jessica69, ela os apagou deixando o pessoal sem o conto e sem o final.
Como este conto não teve final, eu providenciei a continuação, tentando ser a mais fiel possível a historia, espero que gostem. Outra pessoa publicou este conto em outra pagina de contos, como se fosse o autor, mas deixo claro que a autora foi a Jessica69, e eu Marina G fui a segunda autora, eu dei continuidade e fim ao conto.

A professora submissa - Capítulo 7

Lisa acordou por volta das 08h30min da manhã de sábado, com o som da sua professora chorando. Lisa levantou e caminhando ao redor da cama, encontrou a professora sentada no chão, encostada na cama com os joelhos para cima bem abertos, separados pela ripa e suas mãos ainda estavam amarradas aos joelhos, o pepino bem enfiado ainda em sua buceta e a cenoura em seu cu. A buceta da professora Mariane estava bem vermelha e inchada, com certeza a pimenta vermelha irritou bem sua buceta. Parecia que tentará se soltar durante a madrugada, mas os pulsos dela estavam muito bem amarrados aos joelhos, era impossível escapar, além disso, as lágrimas que escorriam pelo rosto e os seus olhos vermelhos denunciavam que a professora já estava chorando a um bom tempo, Lisa se aproximou dela e perguntou.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Qual é o problema senhora C? Por que você está chorando?

A professora abriu os seus olhos cheios de lágrimas, só então percebeu que Lisa também estava completamente nua, “Ela era ainda mais linda sem roupas”, pensou a professora, tinha lindos seios, uma cintura fina e quadris esbeltos, a professora respondeu chorando.

— Eu não posso mais suportar mais isso, senhorita Simons, não posso mais suportar toda essa humilhação, estas dores, as coisas que está fazendo comigo. Minha vagina está queimando e meu ânus está em fogo.
Mariana ainda se contorcia na tentativa de diminuir a queimação e o tesão descontrolado que a consumia.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Eu acho que a maioria das pessoas vão entender, porque eu posei nua para aquela revista.
— Você acha mesmo que as pessoas vão entender cadela? Sinceramente eu acho que você ainda não acordou para a vida! Quero dizer, para sua nova vida!
Conto de Jessica 69 e Marina G
Lisa sorria enquanto a professora chorava e tentava convencer-se de que havia uma esperança, haveria uma maneira de escapar daquela terrível chantagem.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Talvez as pessoas não entendam, mas o meu marido me ama, eu sei que ele vai entender depois que explicar tudo para ele, ele vai entender os motivos pelos quais posei nua para aquela revista.
— Bem senhora C, acho que agora já é muito tarde para você tentar salvar o seu rabinho, porque aquela revista já não é mais a única coisa que eu tenho para chantageá-la, dentro deste celular tem uma grande coleção de fotos e vídeos, são muito mais comprometedoras do que as fotos daquela revista velha.
— Mas já que você disse que vai tentar explicar as fotos para o seu maridinho, tão compreensivo, fiquei curiosa, fiquei mesmo muito curiosa para saber como você vai explicar para ele, essa foto, por exemplo!

Lisa mostrava para a professora, uma foto dela no banheiro em cima do balcão das pias duplas, com as pernas bem abertas e abrindo os lábios da sua buceta recém-raspada.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— E quanto a essa foto aqui minha querida cadela, será que você consegue explicar essa foto também?

Falou Lisa mostrando uma foto da professora se masturbando na cama com o vibrador, na foto ela parecia realmente estar curtindo o momento.

— Até onde eu sei, o seu maridinho nem sabe que você tem um vibrador, não é mesmo senhora C?

Lisa continuava mostrando mais e mais fotos humilhantes, eram muitas fotos mesmo.
A professora olhava cada uma das fotos, fazendo cara de choro, ela sabia que estava totalmente derrotada, mais uma vez, Lisa saía vitoriosa, aquelas novas fotos não tinham explicação e muito menos os pequenos vídeos dela se masturbando no estacionamento, na cama e enfiando batata frita na buceta, antes de comê-las.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— E para garantir mais umas, vou tirar estas bem pertinho e filmar também. E olhe para mim enquanto filmo cadela vagabunda.
— E então senhora C, o que você vai fazer agora? Vai continuar sendo minha cadela de estimação ou vai tentar explicar essas novas fotos e vídeos para o seu maridinho que quase nunca está em casa, nem sabe que você tem um vibrador.

Mais uma vez a professora não tinha escolha a não ser, se render as chantagens de Lisa, ela ainda estava amarrada, voltou a chorar e a implorar.
Conto de Jessica 69 e Marina G
— Por favor, senhorita Simons, não mostre essas fotos para ninguém, vou fazer tudo que a senhorita mandar, por favor, não deixe que ninguém fique sabendo dessas fotos ou desses vídeos, eu imploro.

Lisa guardava o celular na mesma bolsa onde estava a revista pornográfica.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Bem senhora C, em primeiro lugar, acho que você ainda não aprendeu a ser totalmente submissa, por isso vamos começar o nosso dia com um pequeno lembrete, vamos continuar o castigo de ontem.

Lisa puxava a professora pelos cabelos, colocou a de volta na mesma posição de ontem, com o rosto colado ao chão e a bunda bem empinada para cima.
A professora totalmente indefesa começou a chorar e a implorar, assim que viu Lisa pegando a régua de madeira.

— Por favor, senhorita Simons, vou ser uma boa escrava de agora em diante e vou fazer tudo que a senhora mandar, eu juro, por favor, não me castigue com a régua, eu imploro, por favor, não…
— Eu acredito em você senhora C, mas isso não muda o fato de que você ainda merece uma boa punição, não é verdade, minha querida escrava? E não deixe o pepino e nem a cenoura saírem de seus respectivos buracos.

A professora não sabia o que responder, não queria contrariar a sua dona, mas também não queria levar outra surra de régua.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— E então senhora C, eu estou esperando uma resposta, você acha que merece ou não merece uma boa punição?
— Sim, senhorita Simons, eu mereço ser punida.
— E quantas reguadas você acha que merece na bunda, senhora C?

A professora com a bunda empinada para cima e o rosto colado no carpete, chorando.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Diga um número, cadela!
— Uma senhorita Simons.
— Uma só, senhora C, não concordo com você, na verdade acho que três reguadas ficariam mais em conta, mas já que você disse uma, vamos somar 3 + 1 = 4 reguadas, mas como não gosto do número quatro, vamos arredondar para cinco, você receberá cinco reguadas para aprender, eu sou sua dona e você deve obedecer a todas as minhas ordens, sem questionar.
— Sim, senhorita Simons.
— E mais uma coisa, senhora C, eu quero que você conte cada reguada que eu der na sua bunda, se por acaso você esquecer a conta, nós simplesmente vamos começar o castigo tudo de novo e vamos acrescentar mais uma reguada extra ao castigo inicial, fazendo com que as cinco reguadas, tornem seis, sete e assim por diante, entendeu senhora C?
— Sim, senhorita Simons.

Lisa começava a passar a régua na bunda empinada da professora que estava nua e com a buceta raspadinha e aberta por causa da ponta do pepino que aparecia.
A professora com cara de choro não esperava a primeira reguada, quando de repente.
Conto de Jessica 69 e Marina G

“Suuuééééééééépt"
— Aaaiiii... Umaaaa…

Gritou a Mariane com a dor da primeira reguada.
Lisa dava outra reguada ainda mais forte.

“Suuuuéééééépt"
— Aaaaiiiiiii, Duuuassss...

Gritava a professora, chorando com os seus dois pulsos amarrados aos joelhos, ela simplesmente não tinha como escapar e Lisa adorando isso.
Conto de Jessica 69 e Marina G

“Suuuéééééépt"
— Aaaaiiiiiii, Trêssss…

Gritou a professora chorando copiosamente com o rosto colado ao carpete e sua bunda ardendo em chamas.

— Por favor, senhorita Simons, outra reguada não, por favor, outra reguada não, eu imploro.

“Suuuééééééépt"
— AAAAAAAAAIIIIIIIIIIIIIIIIIII... Quatrooooo... aaauuu… aaaiiii

Gritava de dor, a professora com a sua bunda ardendo e cheia de listras vermelhas das respectivas reguadas.
Lisa sorria e "consolou” a professora.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Não precisa mais chorar senhora C, só falta uma reguada para terminarmos e adivinha onde ela vai ser?

Lisa se levantou, passou a perna sobre as costas da professora e começou a esfregar a régua áspera na buceta da professora, que estava vermelha, inchada e um pouco aberta, pois com a régua sendo esfregada em sua buceta, Mariane contraiu a buceta e o cu, puxando mais para dentro a cenoura e o pepino.
Mariane sentia a régua na sua buceta e arregalava os olhos e começava a implorar desesperada.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Não, por favor, não na minha buceta, não, nãããããoooo, nãooooo.

Lisa sorria, mordeu os lábios e…

“Plaaaaack"
— AAAAAAAAAAAAAAAAAAiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii...
A buceta que estava vermelha, chegou a roxear com a última reguada, a professora começava a sentir uma forte vontade de fazer xixi e tentava segurar, ela não podia fazer xixi no meio do quarto e em cima do carpete.

— Não esta se esquecendo de algo, cadela?
— Cinco, cinco senhorita Simons, cinco.
— Eu já ouvi sua puta, pena que você falou tarde demais, isso significa que nós vamos começar o castigo tudo de novo, agora vão ser seis reguadas ao invés de cinco, o que você acha, gostou da ideia cadela?
— Não, por favor, não senhorita Simons, eu imploro, por favor, não.

Lisa sorria enquanto passava a régua mais uma vez na buceta raspada da professora que se contraiu outra vez.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Eu estava brincado senhora C, nós não temos tempo para isso, você ainda tem que preparar o meu café da manhã, antes que ele vire café da tarde.

Lisa se divertia com aquela situação, enquanto a professora Mariane tentava desesperadamente segurar a sua vontade de fazer xixi, e expulsar os legumes e principalmente as pimentas de seus órgãos, ela estava muito desesperada.
Lisa mais uma vez puxava a professora pelos cabelos, colocando ela de volta na posição anterior, sentada no chão e encostada na beirada da cama, a professora ficava sentada no chão duro com sua bunda toda machucada e dolorida, pernas abertas, buceta riscada pelos vergões da régua e com sua buceta bem exposta.
Lisa se abaixou e olhando para a buceta semiaberta da professora.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— O que é isso senhora C? Sua buceta mesmo com a pimenta, um pepino e tendo apanhado está úmida de escorrer?

Lisa esfregava o dedo polegar na buceta boquiaberta da professora.

— Me diga uma coisa senhora C, você gosta tanto assim de apanhar na bunda e na buceta?

A professora não pode responder a essa pergunta tão humilhante, mas sua buceta úmida respondia por ela.
Depois disso, Lisa desamarrou a professora, finalmente pode se levantar e esticar o seu corpo.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Escuta senhora C, enquanto eu vou tomar um banho, quero que você prepare um café da manhã para mim, torradas e claro e nada de brincar com sua buceta ou tirar o recheio dela, também vale para seu cu. Entendeu? Além disso, quero que você calce de novo os sapatos vermelhos, você vai continuar usando eles até a gente comprar outros pares mais bonitos e mais apertados do que este.
Lisa sorria, enquanto a professora com cara de choro, já imaginando a dor nos pés.

— Agora mexa-se, puta, vai preparar o meu café.

Ordenava Lisa, enquanto dava outra reguada na bunda vermelha da professora.
A professora não obedecia imediatamente e não era só por causa dos sapatos vermelhos que dificultavam o ato de caminhar, Lisa notou que alguma coisa estava errada com a professora.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— O que foi cadela? Algum problema para obedecer as minhas ordens?
— Eu preciso ir ao banheiro fazer xixi, senhorita Simons, eu estou muito apertada e minha vagina está pegando fogo por causa da pimenta, por favor, senhorita Simons.
— Que bom saber disso, minha querida escrava, mas não vou permitir que você faça xixi agora ou que tire o seu recheio, existem coisas mais importantes que você precisa fazer primeiro, como por exemplo, preparar o meu café da manhã enquanto eu tomo uma deliciosa ducha, depois disso, se você for boazinha, talvez eu deixe você fazer tirar o recheio e fazer xixi, mais tarde. Bem mais tarde…
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Agora mexa-se, puta, meu café não vai se preparar sozinho.

Mariane desceu as escadas e foi para a cozinha preparar o café da manhã de sua dona, enquanto isso Lisa foi para o banheiro, tomar um banho, depois de alguns minutos, usando apenas uma toalha enrolada em seu corpo, Lisa podia sentir de longe o delicioso cheiro de café fresco, quando ela chegou à cozinha, encontrou a professora sentada à mesa, se preparando para tomar uma xícara de café, Lisa ficou puta da vida quando viu aquilo e gritou com a professora, que pulou da cadeira, assustada.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— O que significa isso, cadela! Posso saber quem foi que deu permissão para sentar a mesa? E quem deu permissão para tomar café?

A professora assustada levantou trêmula, tentava se explicar.

— Eu, eu não sabia que não podia, quero dizer, eu esqueci que não podia, por favor, me perdoa senhorita Simons.
— Despeje a sua xícara de café na pia e fique debruçada sobre a mesa, agora mesmo sua puta!

A professora assustada, rapidamente despejava a sua xícara na pia e se debruçou sobre a mesa, deixando sua bunda bem empinada.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Abra mais as pernas cadela, eu quero ter uma boa visão a sua buceta.

A professora com cara de choro, debruçada sobre a mesa e com a bunda bem empinada, abriu as pernas conforme Lisa tinha mandado.
Lisa empurrava as costas da professora, a fazendo esmagar os seios sobre a mesa.

— Quero ver sua bunda bem empinada, cadela, é assim que eu quero que você fique, quero que você fique esperando, enquanto tomo o meu café e penso em uma boa punição para você.

Lisa, apenas com uma toalha enrolada em seu corpo, puxou uma cadeira, sentou para tomar o seu café, enquanto a professora do seu lado fazia chorava e ainda estava segurando seu receio e com muita vontade de fazer xixi.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Fique quietinha nessa posição, senhora C, enquanto eu tomo o meu café e decido como vou puni-la por sua repentina crise de esquecimento. Por acaso eu já não disse, que você precisa ter a minha permissão para fazer qualquer coisa?
— Sim senhorita Simons, a senhora me disse, eu tinha esquecido.

Lisa ignorava totalmente a resposta da professora e continuava a tomar o seu café com torradas, que a própria professora, tão graciosamente tinha feito para ela.
Enquanto Lisa tomava, tranquilamente o seu café. A professora Mariane, estava se tomando consciente da pressão sobre sua bexiga cheia, suas pernas começavam a doer, depois de algum tempo, suas coxas começaram a tremer devido a sua grande necessidade de fazer xixi e segurar os legumes.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Senhorita Simons, por favor, posso ir ao banheiro tirar o pepino e fazer xixi?
— Cale a boca, senhora C, será que não está vendo que eu estou ocupada que eu estou tomando o meu café? Isso é só mais uma demonstração da sua total falta de respeito para com os seus superiores, interrompendo o meu café, por causa das suas necessidades.

A professora obedecendo a sua dona e ficou calada e tentava controlar ao máximo, a sua vontade de fazer xixi, ela tentava não imaginar o posição humilhante em que ela estava e completamente nua em sua própria cozinha.
Lisa terminou de tomar o seu café e começava a andar pela cozinha, ela se posicionou bem atrás da professora, de repente, FLASH
Lisa tirava uma bela foto, do traseiro empinado da professora, bunda empinada, pernas bem abertas, cuzinho e buceta arreganhada bem exposta, sim aquela era mais uma bela foto, mais uma para a sua vasta coleção.
A professora se encolheu na mesa, assim que ela começou a imaginar o que aquela nova foto poderia estar mostrando, suas partes íntimas com certeza e mais uma ponta de um pepino e a ponta de uma cenoura.
Agora ela podia ouvir o barulho de Lisa abrindo a gaveta, logo atrás dela.
De repente, "Spléééck”, uma colher de pau batia violentamente contra a sua bunda nua e empinada.
Conto de Jessica 69 e Marina G

Mariane deu um salto e suas mãos voaram para trás, na tentativa inútil de proteger sua bunda dolorida, já estava bem machucada pelas reguadas anteriores.

— Tira à mão da frente, sua puta, você será punida agora mesmo por essa maravilhosa colher de pau!

Assim que a professora tirava as mãos da frente, mais uma vez Lisa batia violentamente a colher de pau, contra a sua bunda empinada da professora.

“Spléééééck"
— AAAAiiiiiiiii, não, por favor, não.

A professora chorava e implorava, enquanto mais uma vez, suas mãos tentavam proteger o seu belo e avermelhado traseiro.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Por favor, não, senhorita Simons, eu vou ser uma boa escrava de agora em diante, por favor, não bata de novo na minha bunda, por favor, não.
— Tire a mão da frente, cadela ou será que você prefere ser amarrada, se essa for uma preferência sua, posso buscar as cordas agora mesmo.

Lisa sorria com a colher de pau na mão.
A professora como sempre, era obrigada a obedecer, assim que ela tirou as mãos da frente da bunda, a sessão de spanking com a colher de pau, continuou.
Mariane ao mesmo tempo em que era espancada, tentava de todas as formas se segurar para não urinar ali na cozinha, Lisa tornava tudo mais difícil para ela, ora batia a colher de pau nas suas nádegas, ora esfregava a colher de pau na sua buceta.
A professora chorava, estava realmente com muita vontade de fazer xixi.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Por favor, senhorita Simons, eu preciso muito ir ao banheiro, eu estou muito apertada.
— Cala a boca escrava, você só vai ao banheiro quando eu disser que pode.

Lisa colocava o cabo da colher de pau, na boca da professora.

— Chupa cadela, chupa o cabo dessa colher como se fosse o pau do seu marido.

A professora vermelha de vergonha obedeceu e chorando ela chupou o cabo de pau da colher.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Passe bastante saliva nesse cabo de pau, cadela, depois não vai dizer que eu não avisei.

A professora chupava e lambia o cabo de pau da colher.
Depois de alguns segundos da professora chupando e lambendo aquele cabo de pau, Lisa tirou o cabo da boca da professora.

— Muito bem, senhora C, agora o cabo de pau dessa maravilhosa colher vai entrar no seu cuzinho para se juntar a cenoura.
— Não senhora Simons, por favor, no meu cuzinho não, não cabe mais nada e está ardendo muito.

Lisa se posicionou logo atrás da professora, colocou a ponta do cabo de pau na entrada do cuzinho, bem ao lado da cenoura da professora, e enquanto a professora chorava e implorava o cabo da colher de pau, começava a entrar em seu cuzinho, lentamente, provocando muita dor no seu cuzinho que até então um dia atrás era totalmente virgem.
Conto de Jessica 69 e Marina G

Lisa deixou a colher enfiada no cuzinho ao lado da cenoura e em seguida, "Flash”, tirou mais uma bela foto, agora com a professora debruçada sobre a mesa da cozinha, com o cabo da colher de pau, parcialmente enfiada no cu.
O cuzinho da professora não conseguiria segurar por muito mais tempo e logo a colher e a cenoura começaram a deslizava e caíram no chão. A pimenta ainda estava dentro do cu de Mariane.
A professora chorava totalmente humilhada, enquanto Lisa sorria e perguntava.

— Você ainda esta com vontade de fazer xixi, senhora C?
— Sim, senhorita Simons.

Então Lisa colocava uma cordinha na coleira da professora e mandou-a ficar de quatro no chão, assim que a professora obedeceu e ficou de quatro.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Vamos cadela, eu vou deixar você se aliviar, eu vou leva-la para fazer xixi.

A principio a professora pensou que Lisa iria leva-la ao banheiro, mas não, Lisa a levou direto para a porta dos fundos.
A professora não podia acreditar, Lisa queria que ela fizesse xixi ali no meio do quintal, nos fundos da casa.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Muito bem, cadela, você está com tanta vontade de fazer xixi, acho melhor você fazer isso agora, porque esta é a única oportunidade que você terá na parte da manhã!

A professora ficou muito envergonhada de ter que fazer xixi, bem no meio do quintal, implorava para sua dona.

— Por favor, senhorita Simons, não posso fazer isso aqui.
— Por mim tudo bem cadela, talvez você possa segurar até de noite é quando nós vamos voltar do nosso longo e demorado passeio no centro da cidade.

Mariane não sabia o que fazer, era óbvio que ela não podia segurar a vontade de fazer xixi até de noite, por outro lado a sua dona não permitiria que ela usasse o banheiro, ela não tinha outra escolha, tinha que fazer xixi ali mesmo no quintal.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Por favor, senhorita Simons, espere um pouco, fazer xixi aqui mesmo.
— Então faça logo, sua cadela, não me faça esperar o dia todo e depois de fazer o xixi, pegue o pepino lave e coloque na geladeira, talvez venha a ser seu jantar.

A professora Mariane, tentou encontrar uma maneira graciosa de fazer aquilo, ato tão humilhante no meio do quintal, mas logo a necessidade superou o planejamento e ela simplesmente abriu as pernas, agachou e liberou os músculos da vagina deixando o pepino sair e com um pouco mais de força liberou também a pimenta que tanto queimava sua buceta e logo veio sua urina, que esguichava da sua buceta e encharcava a grama, nesse momento, FLASH. Lisa tirava mais uma bela foto da professora.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Eu já acabei senhorita Simons, eu já acabei de fazer o meu xixi e agora estou pronta para ser levada para onde a senhorita quiser.
— Coloque o pepino na cozinha e pode jogar a pimenta no lixo, já fez seu trabalho e vamos nos preparar, minha querida cadela, hoje eu pretendo fazer um bom uso dos seus cartões de crédito, você precisa de algumas roupas novas, já que nós jogamos fora quase tudo que você tinha no guarda-roupa, primeiro vamos a uma loja de roupas, depois vamos a um “sexy shop”, vamos comprar alguns brinquedinhos e acessórios eróticos que serão usados no seu adestramento, como por exemplo, algemas, mordaças, lubrificantes, prendedores de mamilos e muito mais.

Lisa pretendia fazer um estrago nas contas da professora.
Conto de Jessica 69 e Marina G

— Agora vamos cadela, chega de sonhar, vamos realizar.
Lisa puxava a professora pela coleira de volta para dentro da casa.
O dia delas estava apenas começando.

CONTINUA…

Comentarios
Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu voto junto com o meu comentario:


Ficha do conto
Avatar do perfil KetMarina
Por: KetMarina
Codigo do conto: 15765
Votos: 0
Categoria: Sadomasoquismo
Publicado em: 03/03/2019

×

OPS! Para votar nesse conto voce precisa efetuar o login


Fotos do conto
Foto 1 do conto: A professora submissa - Capítulo 7

Foto 2 do conto: A professora submissa - Capítulo 7

Foto 3 do conto: A professora submissa - Capítulo 7

Foto 4 do conto: A professora submissa - Capítulo 7

Foto 5 do conto: A professora submissa - Capítulo 7



Mais contos desse usuario

A Maldição da Clareira da Cadela I

A Maldição da Clareira da Cadela II

A Maldição da Clareira da Cadela III

A Maldição da Clareira da Cadela V

A Maldição da Clareira da Cadela VI

A Maldição da Clareira da Cadela VII

A Maldição da Clareira da Cadela VIII

A Maldição da Clareira da Cadela IV

A Maldição da Clareira da Cadela IX

A Maldição da Clareira da Cadela X

A Maldição da Clareira da Cadela XI

A Maldição da Clareira da Cadela XII

A Maldição da Clareira da Cadela XIII

A Maldição da Clareira da Cadela XIV

A Maldição da Clareira da Cadela XV

A professora submissa - Capítulo 1

A professora submissa - Capítulo 2

A professora submissa - Capítulo 3

A professora submissa - Capítulo 4

A professora submissa - Capítulo 5

A professora submissa - Capítulo 6

A professora submissa - Capítulo 8

A professora submissa - Capítulo 9

A professora submissa - Capítulo 10

A professora submissa - Capítulo 11

A professora submissa - Capítulo 12

A professora submissa - Capítulo 13

A professora submissa - Capítulo 14

A professora submissa - Capítulo 15

A professora submissa - Capítulo 16

A professora submissa - Capítulo 17

A professora submissa - Capítulo 18

A professora submissa - capitulo 19

A professora submissa - Capítulo 20

A professora submissa - Capítulo 21

A professora submissa - Capítulo 22

A professora submissa - Capítulo 23

A professora submissa - Capítulo 24

A Professora Submissa - Capítulo 25

A Professora Submissa - Capítulo 26

A Professora Submissa - Capítulo 27

A Professora Submissa - Capítulo 28

A Professora Submissa - Capítulo 29

A Professora Submissa – Capítulo 30

A Professora Submissa – Capítulo 31

A Professora Submissa – Capítulo 32

A Professora Submissa – Capítulo 33

A Professora Submissa – Capítulo 34

A Professora Submissa – Capítulo 35

A Professora Submissa – Capítulo 36

A Professora Submissa – Capítulo 37

A Professora Submissa – Capítulo 38

A Professora Submissa – Capítulo 39

A Professora Submissa – Capítulo 40

A Professora Submissa – Capítulo 41

A Professora Submissa – Capítulo 42

A Professora Submissa – Capítulo 43

A Professora Submissa – Capítulo 44

A Professora Submissa – Capítulo 45

A Professora Submissa – Capítulo 46

A Professora Submissa – Capítulo 47

A Professora Submissa – Capítulo 48


Este site contém contos eroticos, fotos e videos destinados exclusivamente ao público adulto.
Ao acessá-lo, você declara que tem no mínimo 18 anos de idade e que no país onde você esta acessando esse conteúdo não é proibido.
© 2005-2021 - club-columb.ru - Todos os direitos reservados


conto amiga da minha mae viuvaconto incesto irmão você está me comendofui enrabadoconto erotico gosto do cheiro de porra de caesos melhores contos eróticoscomendo a irma ate fugundo do quarto pornoconto esposa lingeriecontos eroticos bem dotadoContos eroticos meu filho me flagrou engatada com meu dog e me fodeu gostosocasa dos contos zoofiliaconto vizinha e amigacasa dos contos.comcasa contos ercontosbisexualzoofilia contos eroticosenteada contos porno peidoconto erotico colocando pra mamarfilha rabuda contoúltimos contos eróticoscasa dos contos crossdressercontos eroticos sem fotoscontos eroticos metrocontos eroticos chupando o cu do meu amogocontos eróticos garotão comedor de casadascontos eróticos cona foracontos eróticos comeram minha buceta no onibus e gosteimenage contoscontos eroticos de corno mansocontos gays padre rabudocontocomfoto/conto/3769/Fingi-ser-prostituta-e-fui-fodida-por-um-gringo.htmlconto sex minha mae e eu no cinemacasa dos contos eroticosbuceta de cavalo femeacontoseróticos.de evangélica.gozando.no.dedo.do irmão.da igreja escondido e gostoucasa dos contos erconto erotico garotinhaconto erótico gay padreultimos contos de incestosLer conto e ver foto de cunhado meteno na cunhada irma no clube contocontos meu primo veio me chupar gostosoconto erotico cdzinhacontos eroticos sobrinhas novinhasFilho me comeu contos eroticoscontos sexo incestocontos eróticos grupalContos gays eu quarentão sentei na rola enorme de meu velho sogro brutamontes.contos estupro cortado clitoriscontos eróticos de lésbicascasa dos contos eroticos comcasa do conto eróticoscontos eroticos a esposa loira rabuda eo amigo roludo parte finalconto dormindo na casa da minha tia casadacontocomfotoconto erótico casadormindo de conchinha com a sogra contocontoseróticos com fotosConto erotico com minha irmaconto erotico minha namorada mostrou os peitospriminha contoscasa dos contos lesbicascasa dos contocasa dos contos eroticos gayconto meu amigo comeu minha mãecontos eroticos com dengosite contos gayEu fode a buceta da minha tia ate chora de dor contoscasa dos contos.com.brcontos eroticos com vizinhascontos eroticos de incestosContos eroticos incesto nem sei como minha buçeta e meu bunbum aguentaram o cacetao do meu filhoVer contos eróticos de ploc ploc com mulher de 100kiloscontos eroticos de um neto com um pau muito grandecontos pus meus mamilos na boca do meu priminhocontos erótico de cavalasconto erótico - fiz ele gozar só na punhetacontos eroticos acampamento com a mamaezoo contosConto mulher dando mama pra homemconto erotico porta trancadacasa doscontos minha filha na vara iniciacao do afeminadinho contocontos erotico comunidadecontos eróticos casada seduzida no baile de dança