Esqueceu a sua senha? Clique Aqui

Principal Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco
Categorias Ultimos Contos Melhores Enviar Contos Painel Cadastro Fale conosco Login

Banquete de lagostas

Por: casauser12895 - Categoria: Heterosexual

Começou em fevereiro há alguns anos, num domingo de muito sol, que aproveitei para dar uns mergulhos, já que sou adepto da caça submarina. Cheguei à Praia do Pinho, em Camboríú, bem cedo. Como se trata de uma praia de nudismo, deixei as roupas de mergulho no carro e saí peladinho, apenas de nadadeiras e máscara, além de uma bóia circular para colocar o que pescasse. Depois de algum tempo dentro d’água, estava com quatro lagostas na bóia e parei para descansar um pouco. Olhando para a praia, avistei um casal, também nu, sentado numa pedra, que me observava. Aquilo me incomodou, não sei por quê, e resolvi continuar mergulhando, mas me afastando da praia, em direção à Ponta do Costão, deixando o casal para trás. Passados alguns minutos, olhei novamente e os vi me seguindo, por cima das pedras. Imaginei que, como a água estava muito clara, e sendo um lugar raso, talvez eles tivessem ficado entusiasmados com a cena de um homem nu, em contraste com a rica fauna e flora marinhas do lugar. Como estava quase na virada para a outra praia, resolvi voltar. Olhando para as pedras, vi que eles voltavam também. Mais adiante, eles acenaram com a mão, me chamando. Quando subi nas pedras, foram logo dizendo: “Desculpe-nos, não queríamos atrapalhar. Fizemos isso porque queremos comprar as lagostas que você pescou.” Respondi que não eram para vender, que eu pescava para minha satisfação e consumo próprios, mas a bela loura, com um beicinho, me disse: “Ah, gato, faz esse favorzinho para a gente. Estamos com muita vontade de experimentar lagosta pela primeira vez...” Fiquei sem ação e sem fôlego para nova resposta, pois ainda não tinha prestado a devida importância àquele monumento que, com sua fala melosa, quase tinha me enlouquecido. Era uma linda loura totalmente bronzeada, seios durinhos, olhos azuis, bumbum empinadinho, de mais ou menos 22 anos. Seu acompanhante, também moreno, que devia ter uns 25 anos, secundou-a: “Você vai negar o pedido de uma linda gata...” Não dava mesmo para negar, mas respondi que não as vendia de jeito nenhum. Disse que preferia dar as lagostas ao casal, desde que eles me convidassem para comê-las com eles. Leitor assíduo de contos eróticos, naquela hora eu já estava imaginando histórias de trocas de casais e coisas assim, sem realmente saber aonde poderia chegar nosso banquete de lagostas. Nos apresentamos: ele, Sérgio, de Curitiba; ela Márcia, de Porto Alegre; eu, Sandro. Eles se disseram amigos, tendo se conhecido no domingo anterior, na praia. Marcamos o jantar para o início da noite, no apartamento dela, que seus pais tinham viajado, Márcia fez questão de nos dizer. Cheguei às 8 da noite e, ao entrar, deparei com uma linda lourinha que pensei ser irmã de Márcia, mas ela desmentiu. Disse ser a empregada, que fizera o jantar e cuidava da irmãzinha. Então, levou-me a um dos quartos onde uma criança de cerca de três anos já dormia. Perguntei por Sérgio, que ainda não tinha chegado, e ela respondeu que o veríamos a qualquer momento. Márcia usava uma saia curta e camiseta transparente, sem sutiã, que deixava entrever seus lindos seios. Sérgio chegou, vinho gelado na mão, e fomos degustar nossas lagostas, ao som de música suave, pouca conversa e muitos olhares. O vinho continuou rolando depois do jantar, já na sala, e o assunto pouco a pouco resvalou para sexo. Eu fiquei excitado, claro, como todo mundo fica quando o assunto é esse e há uma mulher gostosa na conversa. Então, chegamos ao sexo a três, que nenhum de nós ainda tinha praticado, e Márcia jurou ser a sua grande fantasia. Música lenta tocando, ela nos convida para dançar. Começam Márcia e Sérgio, sussurrando e me olhando. Toca a minha vez e me encosto bem nela, o pau duro. Ao ritmo da música, começo a acariciá-la e, ao passar a mão de leve em sua bundinha, em cima mesmo da saia, notei que estava sem calcinha. Com um sorriso, ela olhou para Sérgio e este foi se retirando em direção a um dos quartos. Quando saiu, não perdi tempo e desci a mão, até empalmar aquela xoxotinha toda molhada de tesão. Nem notei quando Sérgio, de volta, a abraçou por trás, e ali ficamos, longo tempo, naquela azaração. Não tinha mais dúvida, eles também aceitavam fazer um primeiro sexo a três, que tanto sonhávamos. Com uma fita pornô na mão, Sérgio nos puxou para o quarto. Márcia nem esperou o filme começar: tirou a bermuda de Sérgio e começou a chupar aquele pau descomunal - tamanho que eu não notara na praia porque ali estava mole, fora que eu também não me ligo nesse tipo de instrumento, claro. Na hora, fiquei até meio envergonhado, apesar de ter um pinto de tamanho normal, uns 18 cm. Mas entrei na festa e comecei a acariciá-la com a língua nas imediações da xoxotinha e no próprio clitóris. Ela gemia e pedia para colocar logo o cacete mas, como não sou apressado, continuei lambendo. Invertendo as posições, ela começou a me chupar e Sérgio, não se contendo, penetrou-a com toda a fúria. Ele gozou logo e ela, ainda insatisfeita, pediu-me para penetrá-la. Fiz sua vontade mas me senti como um trem entrando num túnel, ela estava muito alargada devido ao tamanho do pênis de Sérgio. Coloquei um dedo em seu cuzinho e ela se contorceu, gemeu e urrou de tesão. Tentei virá-la, mas ela disse que nunca tinha dado a bundinha. Sérgio, que ainda estava com o membro murcho, disse logo que então seria a primeira vez, e forçou-a a ficar de quatro. Ela ainda alegou que ia doer, que era virgem ali, mas ele a tranquilizou dizendo que tinha um creme especial para facilitar a penetração e começou a untá-la com carinho, enfiando e tirando o dedo de seu rabinho, enquanto ela voltava a me chupar. Fiquei assustado ao pensar que ele poderia tentar enfiar todo o seu cacete naquele buraquinho apertadinho, mas não era essa sua intenção, tanto que me chamou: “Está pronto, Sandro. Esse rabo é todo seu”, só acrescentando que também queria participar do defloramento. Ato contínuo, dirigiu meu cacete na direção do cu de Márcia e, quando o encostou lá, concluiu: “Agora é com você, boa sorte.” Forcei a entrada e meu pau foi entrando apertado, apesar do creme. Márcia gemia e gritava e se contorcia toda e parecia ainda mais louca quando Sérgio, em seu ouvido, sussurrava: “Tá vendo, cadelinha? Você sempre quis dar o rabo, mais tinha medo. E agora está gostando, né, cadelinha?” Não conseguindo mais me segurar, gozei ao mesmo tempo em que Márcia. Quando retirei meu pau, todo dolorido e lambuzado, ela olhou para Sérgio com um sorriso e disse: “Te amo.” Virando para mim, me beijou e disse: “Você foi demais, Sandro.” Na despedida, nos prometemos um novo encontro no próximo verão, já que eles estavam prestes a viajar. No entanto, não foi isso que aconteceu e 20 dias depois, para surpresa de todos, nos reencontramos num restaurante. Eu estava jantando com minha namorada e eles ficaram até constrangidos com o acaso que nos colocou novamente frente a frente, até que nos explicamos direitinho. Foi assim: ouvi um barulho de cadeiras se arrastando e uma criança dizendo “Mamãe, quero sorvete”, exatamente na hora em que me levantava para ir ao banheiro. E a criança, que estava com Sérgio e Márcia, que se mostraram muito assustados ao me ver, era exatamente a que ficara dormindo num dos quartos, enquanto nós fazíamos a nossa suruba. Encanado com a história, resolvi tirar tudo a limpo e no dia seguinte voltei ao apartamento que seria dos pais de Márcia. Ali descobri que o apartamento era deles mesmo, que eram casados e tinham inventado aquela história de amizade para que Márcia pudesse satisfazer, sem maiores riscos, suas duas grandes fantasias: participar de um ménage e dar a bundinha, que o marido não podia comer devido a seu tamanho descomunal. Prometi-lhes sigilo absoluto e passamos a nos encontrar regularmente, agora sem armação ou mentira alguma, e continuamos vivendo felizes.

Comentarios
Seja o primeiro a fazer um comentario nesse conto.
Comente esse conto abaixo

(Numero maximo de caracteres: 400) Você tem caracteres restantes.

Desejo registrar meu voto junto com o meu comentario:


Ficha do conto
foto avatar usuario casauser12895
Por: casauser12895
Codigo do conto: 5680
Votos: 0
Categoria: Heterosexual
Publicado em: 12/08/2014

×

OPS! Para votar nesse conto voce precisa efetuar o login




Este site contém contos eroticos, fotos e videos destinados exclusivamente ao público adulto.
Ao acessá-lo, você declara que tem no mínimo 18 anos de idade e que no país onde você esta acessando esse conteúdo não é proibido.
© 2005-2021 - club-columb.ru - Todos os direitos reservados


contos de.incestoContos eroticos incesto entrei em casa de mansinho minha mae estava batendo siririca tirei meu cacete e perguntei e´isto que voce quercasa dos contos.comConto erótico velho safado comeu minha bucetinhacontos eroticos com vizinhascontos eroticos de meninas pequenas tomando no cucontos e feticheswww.contos eroticos a comendo a irma rabuda 2contoseroticos com fotocontos eroticos Meu cao violadorconto porno obriguei minha irma me da o cu virgemalusindo na puhentaContos eroticos mamae pagou minha dividacass dos contoscontos eróticos homens surpreendentes e insaciaveisConto erótico bolinada pelo coroa safadoconto erotico casaContos gays eu coroa casado me apaixonei pelo meu caseiro daddie viuvo de jeba.contos eroticos gay consolo gozeicontos eroticos na cozinhaCasa dos contos Duas Família descobrindo o prazer do incesto parte 4comeu a bondinha da sobrinha nacasinhacasados contosContos gays o coronel daddie da tropa de jeba enorme me traçou na fazenda,.Conto erotico o senhor de barriga grande me engravidouwww.contos eroticos consolando a filha rabuda casadacontos meu primo me come de noiteConto de estupro de ninfetascontos eroticos gays pai e filho/webfonts/fa-solid-900.eot?sexo com a fisioterapeuta conto relatocasa dos conto eroticosviciei o meu cachorro em sexo contoscontos de incestocontos eróticos o macho da casacontos erótico sobre Marlene de MGConto viagem onibus escuroContos gays meu tio coroa tinha um jumento de cavalo eu flagrei.contos eróticos gay últimosContos eroticos de clinica de feminização forçadaFanfic casa dos contos sou putaconto fazer sexo com cão é muito bomContos eroticos portuguesescontos incesto realContos incesto avô corno nete e avóbati uma namorada contosCasada e amiga fodem com desconhecido contosConto erotico negra travesti rabudacontos eroticos comi minha primacontos eroticos moleque e minha mãecasal de ferias resort contos eróticoscasadoacontosconto banho tiacontos erticosenteada contos porno peidocontos eróticos minha mae me ensinou a ser putacontos porno zoofiliacontos incesto mae e filhominha namorada gozando pensando em.outro contosconto erotico minha tatuadora no paranacontos eroticos mae e filho com ajuda do maridoengravidei do meu cunhado contoscontos eroticos casaCont erot Pobrezacontos eroticos arrombando o cuzinho rosinhaConto viagem onibus escurosites de contos eroticosConto erotico o caminhoneiro me engravidoucasas dos contos eróticosCasa dos contos eroticosconto cornocada dos contos eróticoscontos eroticos de zoofiliacontos eroticos calcinhapor engano filho conto eroticocontos de como minha esposa e o vizinho casadolesbicas casa dos contos eroticoscontos heroticos meus amigos comeram a amamaepeguei meu sobrinho cheirando minha calcinhacasa dos contos.comcontoa eroticos esposa e amigo quarto de casacontos estupro cortado clitoriscontos eroticos travestisultimos contos de incestoconto erótico lesbico esposa curiosa contos eroticoscontos eroticos calcinhacontoseroticos incestoincestorealcontocontos eroticos com vizinhascontos eroticos moleque e minha mãeO meu amigo hetero me abandonoucontos eroticos ultimosminha cunhada e gostosa demais conto